3.5.14

Listas: as línguas da Terra Média

Se você sempre ouve falar que Tolkien é um gênio, mas nunca leu nenhuma obra dele e não sabe o porquê de tanta adoração por parte dos fãs do autor, hoje vou te mostrar um pouco da inteligência e complexidade de seus textos.

John Ronald Reuel Tolkien nasceu na África e tornou-se doutor em Letras e Filologia pela Universidade de Liège e Dublin, em 1954. Graças a obras como O Hobbit, O Silmarillion e, claro, O Senhor dos Anéis, Tolkien é um dos escritores mais celebrados do mundo.

Contudo, como se não bastasse criar histórias maravilhosas e indiscutivelmente bem escritas, ele foi além e criou idiomas para cada grupo de personagens. Hoje eu vou mostrar pra vocês quais são as principais línguas faladas na Terra Média, e o melhor, dá pra aprender a falar cada uma delas, basta ter tempo disponível e boa vontade!

1. Quenya


O Quenya foi desenvolvido pelos Elfos a partir de uma língua anterior chamada Eldarin Comum, que, por sua vez, foi uma evolução do chamado Quendiano Primitivo. Os Noldor e os Vanyar, duas das Três Casas dos Elfos, falavam dialetos do Quenya um pouco diferentes, mas inteligíveis. Esse idioma também era falado pelos deuses Valar, que introduziram nele algumas palavras de sua própria língua, o Valarin.

Na Terceira Era do Sol o Quenya não era mais uma língua viva na Terra Média, tendo em vista que a maior parte dos elfos falava o Sindarin, e a maioria dos Humanos falava o Westron. O Quenya passou, então, a ser usado como uma língua cerimonial ou utilizada em registros. Segundo Tolkien, o Quenya pode ser chamado de "latim élfico".

2. Sindarin


Essa era a língua élfica mais falada na Terra Média durante a Terceira Era e, por isso, é a língua referida como língua élfica em O Senhor dos Anéis. Quando os elfos Noldor voltaram para a Terra Média, tiveram que adotar o Sindarin para se comunicar com os elfos que lá viviam, já que o uso do Quenya foi proibido pelo rei Thingol. Haviam, também, dialetos derivados do Sindarin, sendo que o mais nobre entre eles era o falado em Doriath.

É provável que o Sindarin tenha sido inspirado pelas línguas germânica, ainda mais tendo em vista o fato de que Tolkien era um estudioso do inglês antigo, nórdico antigo e gótico. No mundo real, a língua é mais comumente escrita usando o alfabeto latino.

3. Westron


Westron era a chamada Língua Geral da Terra Média, por ser o que há de mais próximo a um idioma universal. Westron vem do inglês West (Oeste), o que faz bastante sentido se levarmos em consideração o fato de que a ação nos livros é mais restrita ao noroeste do continente, sendo o leste e o sul da Terra Média pouco conhecidos.

O Westron é representado pela língua inglesa.

4. Língua Negra de Mordor

 
Segundo a mitologia de Tolkien, a Língua Negra de Mordor foi criada por Sauron, senhor daquele reino (Mordor), a fim de ser falada por todos os seus servos, substituindo vários dialetos dos Orcs e outros idiomas. Tolkien descreve a língua como tendo duas formas, a antiga e mais pura, falada por Sauron e por seus soldados mais importantes como os Nazgûl, e a mais simples, usadas pelos soldados de baixo escalão.

Como esse idioma foi criado com o intuito de ser desagradável, não era comum que Tolkien a usasse em seus textos, o que acabou resultando no fato de a Fala Negra ser uma das línguas mais fragmentadas das histórias do autor. As forças do bem recusam-se a pronunciá-la em voz alta, já que ela atrai o Olho de Sauron. Diferentemente do Élfico, não há poemas e canções escritas nessa língua, à exceção da Inscrição do Um Anel.

5. Khuzdûl

 
Esse idioma foi criado por Aulë, o pai dos anões e é, como já ficou óbvio, a língua usada por esses personagens. O Khuzdûl era guardado em segredo pelos anões, e por isso poucos seres de outras espécies o conhecem.

A mais longa frase em Khuzdûl conhecida é: Baruk Khazâd! Khazâd ai-mênu!, que significa: Machados dos Anões! Os Anões estão sobre vocês!

6. Entês


O Entês era a língua falada pelos Ents, caracterizada por ser lenta, sonora, aglomerada e repetitiva. O próprio Tolkien a definiu como uma linguagem prolixa. Tudo nesse idioma leva muito tempo para ser dito, pois, para os Ents, só se deve dizer algo que valha a pena gastar um longo tempo para ser dito e para ser escutado.

Essa língua é formada por múltiplas tonalidades vocálicas e distinções de tom e quantidade, e nunca foi representada por escrito.


Gostaram do post ou foi "tolkiano' demais pra vocês? hehe... De brinde pra quem chegou até aqui, vou deixar um teste muito bacana da Superinteressante que mostra a qual raça você pertenceria caso vivesse na Terra Média. O meu deu hobbit! São só nove perguntinhas, faz lá e me conta qual é a sua raça, tá?!

4 comentários:

  1. Post legal e que me interessou! Pena que eu nunca li O Senhor dos Anéis, nem Smil... (esse nome ai), e Hobbit! :(

    No meu teste deu Elfo! o.O (Nem sei se isso é bom!)

    GabryelFellipeealgo.blogspot.com
    El Costa - Confins Literários

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse nome aí é difícil mesmo! kkkkkkk... Elfo é bom demais, Byel! Eu queria ser elfo tb!

      Excluir
  2. Adorei o post, Michelly! =D Eu li o Silmarillion e a trilogia do Senhor dos Aneis, mas não sabia nem metade de tudo isso que você falou. Acho que tenho que reler... Hahahahahahahahaha
    Sou um anão!
    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, até agora, tem um de cada raça aqui! hehe

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...