18.7.14

Resenha: Cidade do Fogo Celestial


Cidade do Fogo Celestial - Cassandra Clare
532 páginas


"Foi um grito de perda tão imenso que não havia palavra para descrevê-lo. Foi um grito inexplicável de ter o céu acima de sua cabeça e o ar em seus pulmões arrancados para sempre. Ela gritou, e gritou mais uma vez, e rasgou o colchão com as mãos até cavar dentro dele, e havia penas e sangue presos debaixo de suas unhas."

 
Quando eu terminei de ler Cidade do Fogo Celestial, minha irmã, que também acompanha a série, perguntou: e aí, gostou? E eu simplesmente não sabia o que responder... Por um lado fiquei satisfeita por Cassandra não ter estragado sua saga com um final nem sem graça nem forçado. Por outro não tinha certeza se o final de alguns personagens era mesmo o que eles mereciam...
Sendo assim, decidi esperar para dar minha opinião a vocês, e depois de refletir bastante cheguei à conclusão de que gostei, sim, do desfecho escolhido para a saga dos Caçadores de Sombras.
 
O livro começa com Jace tentando controlar suas emoções para que o fogo celestial dentro dele não cause grandes estragos. Enquanto isso, Sebastian está invadindo os Institutos mundo afora e obrigando os nephilim a beber do Cálice Mortal, o que está fazendo com que seu exército do mal aumente mais a cada dia.
Um dos Institutos atacados foi onde vivia a família Blackthorn. Na hora do ataque, além de Julian Blackthorn, a jovem Emma Carstairs também estava lá, e junto com as outras crianças da família, conseguem escapar para Idris. Esses personagens serão os protagonistas da próxima série de Cassandra, um spin-off de Instrumentos que se chamará Os Artifícios das Trevas.
Com a situação saindo do controle, a solução encontrada pela Clave é mandar todos os Caçadores de volta à Idris, onde, supostamente, estarão seguros. É aí que Clary e companhia são obrigados a partir, deixando seus amigos do Submundo para trás, inclusive Simon.
 
Em Idris o clima é tenso e a Clave discute maneiras de parar Sebastian. O que eles não contam é com a traição de um de seus aliados, traição essa que custará caro para os Nephilim.
Em Nova Iorque, Simon tem seus próprios problemas para se preocupar, dentre eles a fixação que Maureen, a líder das Crianças da Noite, nutre por ele.  
Como é um final de série, não há muito o que se falar sem que eu estrague as surpresas do livro, mas o que posso dizer é que a guerra contra Sebastian e seus Crepusculares levará Jace, Clary, Simon, Isabelle e Alec para outra dimensão, onde será ainda mais difícil derrotar o filho de Valentim. Batalhas sangrentas e inevitáveis perdas resumem bem o desfecho de Instrumentos Mortais.
 
História resumida, passemos às minhas impressões...
Com relação aos personagens, senti uma pequena mudança em Clary, que não me irritou nem uma vez e demonstrou ter amadurecido muito desde o primeiro volume. Gostei do fato de, nesse livro, ela pensar antes de tomar decisões e não sair fazendo tudo sem dosar as consequências. Já Jace, apesar de não ter sido o morto-vivo do livro anterior, não conseguiu recuperar toda sua essência, o que me deixou um pouco decepcionada com o personagem. Mesmo assim, ele continua sendo meu preferido. Simon, que já havia ganhado meu coração, empatou com Jace no quesito “meu queridinho”. Pra mim, o vampiro foi o personagem que mais evoluiu durante a série, e, digo mais, foi de extrema importância para o fim.
Sobre os outros personagens, continuo tendo a mesma opinião de antes. Magnus é incrível, Alec dá vontade de colocar no colo e cuidar, Izzy é a amiga que eu queria ter e Jocelyn é a mais insuportável da série.
O vilão da vez é o tipo de personagem cuja crueldade beira à insanidade. Ele quer poder, mas acima de tudo, quer amor, mesmo não enxergando isso. Adoro a construção de Sebastian, um rapaz atormentado, divido entre o mal, que toma quase todo o seu ser, e o bem, que se esconde lá no fundo de sua alma.
 
A dinâmica do enredo foi um pouco confusa, no meu ponto de vista. Os momentos de ação e calmaria são bem dosados, mas algo, que não consigo identificar muito bem o que, ficou fora do lugar. Contudo, não se preocupem, pois não é nada que prejudique drasticamente leitura.
O que me incomodou mesmo foram as referências feitas ao final de As Peças Infernais. Já vi por aí que quem leu a trilogia gostou muito de ver seus personagens entre os de Instrumentos, porém eu recebi muitos spoilers graças a essa junção, nem tanto no texto de Cassandra, porém mais nas resenhas que li de Cidade do Fogo Celestial. As pessoas esquecem que alguns dos que leram o último volume da história de Clary e Jace, ainda nem começaram a série de Will, Tessa e Jem, e eu já sei como essa história termina antes mesmo de começar a ler. Isso é extremamente frustrante e eu gostaria que os resenhistas tivessem mais cuidado e consideração ao escrever suas resenhas...
 
No final das contas, a maior causa das minhas dúvidas em relação a ter ou não gostado do desfecho da saga, foi graças ao final de um dos personagens, que por motivos óbvios, não vou falar qual. Mas, pensando bem, acho que foi um final digno para esse personagem e acredito que tudo ficará bem. Inclusive espero ter mais notícias dele em Lady Midnight, já que o primeiro volume da próxima série de Cassandra será ambientada 5 anos depois de Cidade do Fogo Celestial.
No mais, fiquei satisfeita com a autora por não ter estragado uma história tão querida pra mim e apesar de continuar achando que os três primeiros livros são bem superiores aos três últimos, gostei de ler a história dos Nephilim até aqui.
Já sinto saudade da arrogância charmosa de Jace, da teimosia de Clary, da personalidade compreensiva de Simon, da experiência de Magnus e de todos os outros personagens. O que me consola é saber que eles estão logo ali, na minha estante, me esperando sempre que eu quiser voltar pro Instituto ou pra Idris. E com certeza, voltarei!
 

10 comentários:

  1. hahahaha eu também não gosto nem um pouco da Jocelyn.
    E sobre as Peças Infernais, eu já tinha os livros mas ai eu pensei " vou terminar Os Instrumentos Mortais e depois começar As Peças Infernais", maior burrada que eu já fiz na minha vida kkkkk a Cidade do Fogo Celestial realmente tem muitooos Spoilers sobre a trilogia... Mas o lado bom é que a Cassandra conseguiu encaixar tudo, conectar as duas histórias...

    Michelly eu indiquei uma tag para você lá no blog... Segue o link: http://maisumleitor.wordpress.com/2014/07/18/tag-semana-literaria/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso ela conseguiu mesmo. Mas, de qq forma, me arrependo de não ter lido Peças antes...:/ Obrigada por me indicar,eu adoro tags!!!

      Excluir
  2. Oi Michelly :)

    Eu não curti essa saga. Li Cidade dos Ossos e Cidade das Cinzas meio que sem querer e vou ler agora Cidade de Vidro e encerrar a trilogia. Beijos!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que pena, Gabriel! Eu gostei beeem mais dos 3 primeiros do que dos 3 últimos, mas no geral achei a saga bem legal!

      Excluir
  3. Oi Michelly! Tudo Bem?
    Ahhh toda vez que eu vejo uma resenha dessa Série eu piro. Piro de vontade de comprar todos os livro rsrs Ainda só li o primeiro livro e fiquei mega encantada. Espero poder adquirir meus exemplares até o final do ano :)

    Beijos!
    P.s: Tem resenha nova no Blog, e o livro da Vez é Louca por Você da autora A. C. Meyer.
    Espero que goste *-*
    http://aculpaedosleitores.blogspot.com.br/2014/07/resenha-louca-por-voce.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se vc puder, quando chegar no quinto volume de Instrumentos, dá uma parada e leia Peças Infernais (a outra série dela). Senão vc vai levar muitos spoilers na cara, igual eu!

      Excluir
  4. Eu quero eu quero muito esse livro =D
    http://amolivrosdeverdade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oi Michelly,
    da CC só li Cidade dos Ossos até agora e mesmo não gostando de fantasia sobrenatural achei divertido, não continuei a série, primeiro porque não está na$ minha$ prioridade$, segundo porque eles são muito caros :p
    mas pretendo ler até o terceiro, pelo menos, nunca me interessei muito pelos três últimos já que li em algum lugar que a ideia inicial era fazer uma trilogia, e também todo mundo que eu ouvi falando sobre a série diz que os três primeiros são os melhores.
    adorei a resenha!
    Grande abraço!
    Leitor Antissocial

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os 3 primeiros realmente são melhores, mas eu não me arrependo de ter ido até o último não! :)

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...