16.11.14

Um dedo de prosa...

Estamos vivendo tempos de ostentação, isso é fato. Taí o Facebook e o Instagram que não me deixam mentir, sempre com seus usuários exibindo uma vida perfeita que, às vezes, nem é real. Mas você já reparou que existe uma vertente dessa ostentação ligada à literatura?

Antes de iniciar, de fato, esse dedo de prosa, já quero deixar claro que não é meu objetivo estigmatizar ninguém. Ler muito, ter muitos livros ou gostar de clássicos é ótimo. Eu mesma leio bastante e faço coleção de livros. O papo aqui é sobre aqueles que usam a literatura para se colocar acima de outras pessoas, principalmente pelo lado intelectual.

Eu acredito, sim, que existe o que eu chamo de ostentação literária, e divido essas pessoas em três grupos diferentes.

No primeiro, estão os que acumulam montanhas de livros só pelo simples prazer de ter mais que os outros, sem nem ao menos ter a intenção de lê-los algum dia. E digo isso porque conheço gente assim.
Vou contar uma história pra vocês... Tem uma pessoa que eu venho observando no Skoob que disputa a quantidade de livros comigo! É só eu adicionar mais um à minha estante que a pessoa não demora 1 semana pra comprar 2 e passar na minha frente. E não é mania de perseguição não, pois venho observando esse comportamento há mais de um ano, tempo suficiente pra tirar minhas conclusões. Além do mais eu conheço essa pessoa e sei que ela tem o costume de disputar as coisas mesmo. Agora me pergunta se ela lê? Lê nada! É pelo simples fato de "ganhar" a corrida imaginária que ela criou. E o mais triste é que deve existir mais gente assim...

O segundo grupo é daqueles que falam que já leram milhões de livros, passando às vezes até do limite do que seria possível. Mas eu cito um exemplo pra vocês terem certeza de que isso acontece...
No início desse ano eu vi um post no Face, no estilo "retrospectiva literária", perguntando quantos livros cada um tinha lido durante 2013. Ok, fui ler os comentários. Tinha um ser humano lá no meio criando a maior polêmica porque jurava que tinha lido mais de 400 livros em um ano. 400 livros. Em um ano. Aí perguntaram se ela trabalhava, e a resposta foi sim, o que dificultaria ainda mais esse volume de leitura. Perguntaram se os livros que ela lia era aqueles infantis de uma frase por página, e ela ficou até brava dizendo que eram livros normais. Por fim o povo já tava fazendo as contas pra mostrar que era impossível uma pessoa ler 400 livros normais em um ano, e ela mandou o link dela no Skoob, o qual eu fui olhar e vi que tinha MUITO livro lido. Tipo, mais de 2 mil. Mas é aquele negócio, o Skoob aceita o que você coloca lá, o que pode nem ser a verdade.
Sinceramente, eu acho que o povo nem devia ter dado tanto ibope, pois era justamente isso que ela queria. Tanto porque tava na cara que era mentira. Pelo menos EU não acredito que alguém lê 400 livros por ano, sendo que ainda trabalha durante a semana. Então ou a garota queria tumultuar, ou queria mostrar uma cultura que ela não tem. Levando em consideração as coisas que ela falava e o vocabulário que usava, acredito na segunda hipótese.

 E também existe o grupo que não ostenta em números, mas ostenta em conteúdo. Tipo: sou melhor do que você porque só leio clássicos. Esses são os que me irritam de verdade. Porque olha só, se a pessoa quer gastar rios de dinheiro com livros que ela não vai ler, o problema é dela; se o indivíduo mente sobre o tanto que lê, não vai mudar em nada a minha vida; mas não vem tirar ondinha comigo dizendo que a única leitura válida é a de clássicos ou de livros que eles chamam de "sérios"!
Eu não sou muito adepta dos clássicos, confesso, mas isso não quer dizer que não leia livros complexos também. E mesmo as obras menos ambiciosas têm algo a ensinar, portanto, em minha opinião, toda leitura é válida. É claro que se eu puder diversificar os tipos de livros que leio, será melhor pra mim pois além de conhecer vários estilos de histórias e autores, vou acabar otimizando os ensinamentos que cada uma dessas leituras pode me trazer. Mas reafirmo: toda leitura é válida.

Quando uma coisa é feita por obrigação, ou para disputar quem é o melhor, ou passar uma imagem falsa, isso deixa de valer a pena. Se for pra ler, que seja por gosto, por amor à literatura, por diversão! Se você não gosta de ler, tem muitas outras coisas que podem te divertir e te instruir da mesma forma que a leitura, basta cada um encontrar seu caminho. Quando você deixa de viver para os outros e passa a fazer as coisas por você mesmo, a vida ganha um colorido diferente, então pra quê levar a vida em preto e branco?

Vocês também conhecem alguém que pratica a ostentação literária? O que pensam sobre esse tema? Vem bater um dedo de prosa comigo, vem! ;)

14 comentários:

  1. Ostentação literária é bem ridículo mesmo, felizmente eu não conheço ninguém assim, mas outro dia li um artigo na internet, cujo titulo era: 10 livros para idiotas. Achei super ridículo, embora eu nem goste da maioria dos livros citados, porque ninguém tem direito de julgar gosto literário, cada um lê o que gosta. É exatamente como você colocou, não é porque a criatura só lê clássico que pode sair por aí chamando quem não os lê de idiotas.

    Beijos, adorei o texto
    Colecionando Primaveras
    Fanpage

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com vc, Ellem, e digo mais, idiotas são eles! hehe

      Excluir
  2. Amei seu texto e concordo com todas as suas colocações. Conheço pessoas que se enquadram nos três exemplos que você citou. Nós, que além de amarmos ler ainda colecionamos livros, temos que ter muito cuidado para não nos enquadrarmos no primeiro exemplo. Eu amo colecionar livros, mas amo mais ainda lê-los. E me peguei tendo uma quantidade exagerada de livros adquiridos que, visto a quantidade de parcerias que fechei nos últimos tempos, demoraria meses para ler, levando em conta ainda meu prazo curto para leitura. Entrei em desespero justamente por estar sendo apenas uma colecionadora. Parei de comprar rsrs. Vou ler tudo que tenho na estante para depois começar a comprar novamente.
    No segundo caso, vejo até blogueiros fazer isso. Prova são as resenhas. Brinco de forma maldosa com algumas resenhas que vejo por ai. Qdo lemos o livro e conferimos as resenhas dele por ai, nos damos conta da quantidade de blogueiros que estão no ar apenas por ostentação. Eles não leem!
    E no terceiro caso, que eu concordo ser o mais irritante dentre os três, é o que mais vejo tanto nas redes sociais quanto na blogosfera. Já vi blogueiros que se consideram críticos (não sei quem foi que colocou isso na cabeça deles) detonarem gêneros literários atuais e dizer que, livros de autores renomados como Machado de Assis não fazem tanto sucesso por não serem entendidos pela geração de leitores que surgiu. E o mais engraçado, é a que a pessoa em questão não tem sequer uma resenha de Machado de Assis no blog. Vai entender não é mesmo? Vou parar de falar se não meu comentário vai ficar maior que o texto rsrsrsrs.
    Beijos
    aculpaedosleitores.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoro comentários gigantes, Bia, pois é essa reflexão mesmo que eu pretendo com essa coluna! Esses críticos de plantão são na verdade tão ignorantes que ainda não aprenderam a respeitar as diferenças. Coitados...

      Excluir
  3. Olá Michelly,

    Todo e qualquer tipo de ostentação é bem irritante. Na verdade quando alguém faz algo por que gosta, por que tem prazer as atenções recaem a essa pessoa naturalmente e de maneira saudável. Estou no mundo da blogosfera há pouco tempo e algumas situações me pareciam bem extravagantes...rs! Depois de ler seu post tive certeza de que não era só impressão e sim uma realidade...rs!

    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você ainda vai ver muitas extravagâncias por aí então, Andreia! kkkkk

      Excluir
  4. Gostei demais do seu texto. Eu conheço uma garota que comprou todos os livros de As Crônicas do Gelo e Fogo e eu sei que ela não lê nada, é só para "ostentar" que os tem. E eu acho ainda mais estranho que em relação a outras coisas ela não tem dinheiro para nada e vive pedindo emprestado. Eu, particularmente, me sinto muito mal ao comprar um livro e não lê-lo logo, pois acho que os livros existem para serem lidos e não apenas expostos em uma estante.

    leitoresforever.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tb fico incomodada quando compro um livro e não leio, Cris. Eu passei meses sem comprar livros até ler os que tinha aqui, só agora voltei a compra-los, mesmo assim decidi que vai ser aos poucos, pra não acumular de novo.

      Excluir
  5. Milly, eu vi muita gente comentando nessas retrospectivas de "quantos livros você leu no ano passado?" Mas não cheguei a ver essa, acho que teria mandado se pintar de verde, plantar bananeira com uma melancia numa perna e um macaquinho, daqueles bonitinhos que dançam, na outra porque olha...
    Mas vi um comentário a um tempo atrás de uma menina perguntando se ela era a única que comprava livros só pra tê-los, sem a intenção de ler, nem lembro se eu comentei alguma coisa, se fiz tenho quase certeza que a ofendi de alguma forma (não me orgulho disso, mas fazer o que?) Tenho um sério problema com compras de livros, só compro livros que tenho intenção de ler e acredito que vou gostar, se quero ler, o livro é muito caro ou tenho uma pequena curiosidade e sei que não vou querer ler ele de novo em momento algum da vida procuro na biblioteca, claro que minha vontade de ler determinados livros é maior do que minha velocidade de leitura... comecei o ano com o objetivo de ler 100 livros em 2014 e se continuasse no ritmo de janeiro até teria conseguido... mas não continuei... acho que estou na faixa dos 50 ou 60, nem sei direito...
    Enfim, acho que já falei sobre o "comprar livros sem ler" (pensa num cara que viaja e nem sabe o que falou depois, e tô com preguiça de ler o que já escrevi... paciência ¯\_(ツ)_/¯ ) agora sobre o só ler clássicos...
    Não acho que ler clássicos acrescenta mais do que "qualquer" outro livro... como você disse toda leitura é válida, infelizmente nem toda é proveitosa, mas voltando ao assunto pré-determinado para esse parágrafo... A Luz Entre Oceanos não é um clássico, mas aprendi mais com ele e até com os dramas juvenis que fazem tanto sucesso ultimamente do que com alguns clássicos, O Grande Gatsby, por exemplo, gostei bastante do livro mas ele acrescentou muito pouco na minha vida, já O Retrato de Dorian Gray é um livro incrível, não está entre os meus favoritos mas chega perto... é com certeza o meu clássico favorito, acredito que os clássicos acrescentam mais no quesito vocabulário, não que isso sirva de alguma coisa, considerando que o vocábulo presente neles não é mais utilizado atualmente...
    Acho que meu "dedo" já está meio comprido (sempre tô inspirado pra comentar nos domingos a noite... pergunta pro Gabryel)
    Enfim...
    Grande abraço Milly!!!

    Leitor Antissocial

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoreeeeei o comentário enorme, Rudi! Espero que vc comente todo domingo à noite aqui! hehe

      Excluir
  6. Oi Mi, amei o post, realmente gostei muito dele. Já vi os três tipos citados e como alguém diz que ler 400 livros por ano? é muita ostentação pra pouca vida, kkk. Me mato para chegar nos 50. Tenho muitos livros para serem lidos, mas a cada ano vou diminuído quando me sobra tempo, em vez de ostentação, acho que tenho compulsão literária, kkk
    Eu realmente perco a paciência com as pessoas que caracterizam os clássicos como livros apropriados. Leio alguns, sou apaixonada por Austen e outros, mas mesmos nos clássicos, há narrativas não convincentes e de nível inferior. Concordo que toda leitura é válida. Toda história tem algo para passar, não importa o gênero.
    Bjim!
    Tammy
    Livreando

    ResponderExcluir
  7. Concordo do inicio ao fim! O que mais vemos hoje em dia são pessoas assim, algo extremamente irritante! Mas é sempre bom falarmos nesse assunto pra ver se as pessoas se tocam. Amei seu texto!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...