1.3.15

Eu sou fantástico: Vampiro

Uma das criaturas fantásticas mais exploradas na ficção são os Vampiros. Particularmente na literatura, pode-se dizer que há até um subgênero especializado nesses seres, haja vista a grande quantidade de livros que os trazem como figuras centrais. Pensando nisso, hoje resolvi falar sobre eles aqui no Eu Sou Fantástico. Gostou do tema? Então acompanhe o post!


Classicamente falando, os vampiros são criaturas que sobrevivem se alimentando de seres vivos, geralmente através de seu sangue. As lendas sobre eles tiveram início na Idade Média, aproximadamente no século XII, sendo que, desde então eles foram descritos tanto como quase humanos, até como mortos-vivos. O arquétipo do vampiro carismático e sofisticado surgiu a partir do romance The Vampyre, de John Polidori, mas foi com Bram Stoker e seu icônico Drácula que se firmaram as bases desse personagem.

O surgimento de um vampiro pode ocorrer através de suicídio, bruxaria, possessão por um espírito maligno ou pela mordida de outro vampiro. Na maioria das vezes, eles são descritos como pálidos ou de pele rosada (graças à farta ingestão de sangue), com dentes pontiagudos e unhas grandes. Para mantê-los afastados é comum o uso de alho, ramos de roseira silvestre, sementes de mostarda, crucifixos, rosários e água benta. Eles não podem pisar em chão sagrado, como igrejas e templos, e alguns livros também afirmam que vampiros não conseguem atravessar água corrente, não têm sua imagem refletida em espelhos e não possuem sombra. Alguns autores também asseguram que um vampiro só entra numa casa se for convidado por um morador, mas depois do primeiro convite, eles podem entrar e sair quando quiserem. Outra das características marcantes dessas criaturas é a vulnerabilidade à luz solar, contudo essa característica não existe em algumas obras. Ainda encontramos na literatura, referências à capacidade de um vampiro se transfigurar em morcego.


Como seres quase indestrutíveis, são poucas as formas de se matar um vampiro. Uma delas é cravando uma estaca em seu coração, muito embora na Rússia e na Alemanha a estaca deveria ser cravada na boca, e na Sérvia, no estômago. Outras formas de se matar tais seres é a decapitação e a incineração.

Atualmente há uma certa tendência dos autores por definir os vampiros como seres um pouco mais delicados e humanos, chegando até a trocar o lugar de vilão para o de mocinho. Alguns exemplos disso são as séries Crepúsculo, Diários do Vampiro, Os Instrumentos Mortais e Academia de Vampiros. Outros autores preferem descrever tais criaturas como heróis trágicos e poéticos, como é o caso das obras vampirescas de Anne Rice. Contudo, também existe o grupo daqueles que definiram seus vampiros como o original símbolo do mal que são, mesmo que sejam serem mais modernizados, como no caso de Eu Sou a Lenda e A Passagem.

No Brasil, entre as aparições de vampiros que mais se destacam estão o clássico dos quadrinhos infantis de Maurício de Souza, Zé Vampir; e as obras de sucesso de André Vianco, como Os Sete, Sétimo e O Vampiro-Rei.

Vários desses personagens ultrapassaram a barreira das páginas para o cinema, e a tendência é que esse costume em adaptar livros só aumente, trazendo cada vez mais e mais vampiros para as telonas.


Dito tudo isso, o fato é que os vampiros são seres interessantes, misteriosos e que rendem muita história. Eu, particularmente, prefiro aqueles descritos de forma mais próxima de sua realidade maligna, pois acho que eles são vilões bons demais para serem transformados em mocinhos. Porém não tenho nada contra as obras que os colocam nessa posição mais humana, inclusive sou apaixonada pelo Simon de Instrumentos Mortais, e pra quem não sabe ele é um dos atuais vampiros gente boa da literatura.

Agora, como sempre, além de saber qual é seu tipo preferido de vampiro, gostaria muito de saber o que estão achando dessa coluna e quais são as próximas criaturas que desejam ver por aqui. :) Até o próximo post!

4 comentários:

  1. Confesso que gosto demais de histórias de vampiro, começando pelo filme O Pequeno Vampiro, que eu assistia ainda quando era criança e passando por séries e outros filmes. Adorei a postagem, Michelly. Ficou demais! Beijos.

    http://livro-apaixonado.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nunca vi esse filme, mas agora fiquei curiosa... Vou procurar!

      Excluir
  2. eu prefiro os vampiros sendo descritos como vilões! Mas nada contra os bonzinhos (Carlisle ♥)
    Acredito que muitos da literatura moderna tem estado muito exaltados ao criar outra personalidade a um ser fantástico que já tenha tudo sua personalidade formada.. mas tá bom!
    rsrs
    gosto demais dessa coluna!
    ah, como já comentei noutro "Eu Fantástico" outros seres fantásticos, mas verdadeiros, que poderiam ser comentados aqui são os Anjos!

    gabryel fellipe - quimeras mirabolantes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa sua observação foi muito interessante, Byel... Realmente os autores estão optando por desconstruir personagens com características bem definidas, mas eu prefiro quando eles aparecem na forma original mesmo!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...