9.3.15

Ganhei um Nobel: Mario Vargas Llosa

Prêmio Nobel de Literatura de 2010: Mario Vargas Llosa "por sua cartografia de estruturas de poder e suas imagens vigorosas sobre a resistência, revolta e derrota individual".


Jorge Mario Pedro Vargas Llosa, ou apenas Marquês de Vargas Llosa, nasceu em Arequipa, no dia 28 de março de 1936, numa família de classe média. Passou a infância na Bolívia, porém retornou ao Peru quando o avô foi indicado para um importante cargo político no governo daquele país. Como o casamento de seus pais durou apenas poucos meses, ele só foi conhecer o pai aos 10 anos de idade, depois de já estar morando em Lima. Nesse reencontro seus pais acabaram se reconciliando e todos passaram a morar juntos novamente.

Aos 14 anos seu pai o matricula como um aluno interno no Colégio Militar Leôncio Prado, em la Perla, onde ele é obrigado a permanecer por dois anos. Porém essa experiência não foi de todo ruim, pois o inspirou a escrever seu primeiro livro, intitulado La Ciudad y los Perros. Depois, contra a vontade de seu pai, estudou Letras e Direito na Universidad Nacional Mayor de San Marcos.

Aos 19 anos, Mario Vargas casa-se com Julia Urquidi, passando a ter vários empregos a fim de sustentar a nova família, desde redator até vigia de túmulos. Em 1958, recebe uma bolsa de estudos na Espanha, onde consegue seus doutorados de Filosofia e Letras. Após esse período, ele vive um tempo na França, onde se divorcia de Julia e casa-se novamente, dessa vez com sua prima Patrícia Llosa, com quem teve 3 filhos: Álvaro, Gonzalo e Morgana.
 
Hoje, além de escritor, ele também é jornalista, ensaísta e político no Peru.

Suas obras são conhecidas pela crítica à hierarquia de castas sociais e raciais, presentes até hoje na América Latina. Seus livros trazem como tema recorrente a luta pela liberdade individual na realidade opressiva do Peru, sendo notória a influência de Jean Paul Sartre em seu texto. Entre seus livros destacam-se A Cidade e os Cachorros, A Casa Verde e Tia Júlia e O Escrevinhador. A Cidade e os Cachorros, inclusive, lhe trouxe o Prêmio Biblioteca Breve da Editora Seix Barral e o Prêmio da Crítica de 63. Ele também é o autor de Conversa na Catedral, um compilado de quatro volumes narrando as fases da sociedade peruana durante a ditadura de Odria, nos anos 50. Em 1981 publica A Guerra do Fim do Mundo, abordando a Guerra de Canudos, que dedica ao escritor brasileiro Euclides da Cunha.

Além dos prêmios já citados, Mario Vargas também foi condecorado com o Prêmio Rómulo Gallegos, o Prémio de Cervantes, o Prêmio Nacional de Novela do Peru, o Prêmio Príncipe das Astúrias de Letras da Espanha, o Prêmio da Paz de Autores da Alemanha e o Prêmio Planeta. Além, claro, do Nobel em 2010.

O autor é membro da Academia Peruana de Línguas desde 1977, e da Real Academia Española (RAE) desde 94.

No Brasil já foram lançadas várias obras do escritor, incluindo Travessuras da Menina Má, a qual, confesso ter sido uma surpresa pra mim pois apesar de sempre ter me interessado por esse livro, nunca prestei atenção no autor. Pra vocês verem como eu tava por fora...

E vocês, se interessam por alguma obra do autor? Gostaram de saber um pouco mais de sua vida? :) Espero que estejam gostando dessa coluna e até o próximo ganhei um Nobel!
 

2 comentários:

  1. Que eu me lembre, nunca li nada do autor, mas adorei conhece-lo. Como assim vigia de túmulo? Bem, se nada der certo pra mim... hahah. Adorei conhecer esse autor, e adorei o post, aguardo pelo próximo da coluna. Beijos
    Desfocando Ideias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deve ser tipo um coveiro,ou um segurança de cemitério... Vai saber! kkkkk

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...