5.4.15

Ganhei um Nobel: Jean-Marie Gustave Le Clézio

Prêmio Nobel de Literatura 2008: Jean-Marie Gustave Lê Clézio por ser "autor de novas partidas, aventura poética e êxtase sensual, explorador da humanidade além e sob a civilização regente".


Jean-Marie Gustave Le Clézio nasceu no dia 13 de abril de 1940, filho de um cirurgião e de sua prima-irmã. Sua família emigrou para as Ilhas Maurício, onde era permitido manter suas propriedades e o uso da língua francesa. Durante a Segunda Guerra, foram obrigados a ficarem separados, vindo a se juntar novamente depois da guerra, quando Jean-Marie tinha 8 anos de idade.
 
Ele estudou Literatura Francesa parte na Universidade de Bristol, parte no Institut d’Études Litteraires de Nice, e ao se formar foi para os Estados Unidos, onde passou a trabalhar como professor. Concluiu seu mestrado com uma tese sobre Henri Michaux, em 1964, e seu doutorado sobre a história do México, em 1983. Le Clézio também é um conhecido especialista em Michoacán.
 
Depois de uma união fracassada, casou-se novamente em 1975, com a marroquina Jémia. Tem duas filhas, sendo uma de cada casamento. Desde 1990 o escritor vive entre Albuquerque, Maurícia e Nice, e continua a escrever assinando J.M.G. Le Clézio.
 
Seu primeiro romance, Le Procès-verbal – em português, O Interrogatório –, foi publicado quando o autor tinha 23 anos, logo sendo selecionado para o Prêmio Goncourt e conquistando o Prêmio Renaudot, em 1963. A partir daí, publicou cerca de 40 livros de variados gêneros, como romance, mitologia, ensaios e até antologias. Dentre os publicados no Brasil estão O Peixe Dourado e A Quarentena, ambos lançados pela Companhia das Letras.
 
É possível dividir sua carreira como escritor entre dois importantes períodos. O primeiro deles vai desde 1963 até 1975, onde Le Clézio explorou temas como a loucura, a linguagem e a escrita, além de ter se dedicado à experimentação formal na sequência de contemporâneos, tais como Georges Perec ou Michel Butor. Nesse período, a obra de Jean-Marie foi muito elogiada por intelectuais como Michel Foucault e Gilles Deleuze. O segundo período começa no final dos anos 1970, quando o estilo do escritor sofre uma mudança drástica ao abandonar a experimentação. A partir daí, seus romances tornam-se menos atormentados e passam a abordar temas mais sutis, como infância, adolescência e viagens. Isso faz com que Le Clézio ganhe popularidade.
 
Em 1980, ele foi o primeiro vencedor do recém-criado prêmio Paul Morand, adjudicado a Désert pela Academia Francesa. Em 2008, foi laureado com o Prêmio Nobel de Litertura.
 
Segundo uma enquete realizada pela revista francesa Lire,13% dos leitores o consideram o maior escritor francês da atualidade.
 
E esse é mais um  no seleto grupo dos autores laureados com o Prêmio Nobel de Literatura que apresento aqui no blog. É curioso ver como a cada ano o prêmio é dado por motivos diferentes, e eu espero que vocês estejam gostando tanto desse lado mais "histórico" do blog quanto eu! :)
 

2 comentários:

  1. Adorei a postagem, acho muito interessante saber dos autores assim.
    Bjs
    http://eternamente-princesa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu sei que já disse isso, mas seu blog é simplesmente demais! Adoro todos os tipos de postagens que você traz para nós, leitores.
    É o blog mais completo hoje, na minha opinião.
    Eu não conhecia esse escritor, que vergonha!
    Mas adorei o estilo dele, vou procurar saber mais!
    Beijos

    Meu Meio Devaneio

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...