17.4.15

Resenha: As Esganadas


As Esganadas - Jô Soares
264 páginas


"O que alerta a atenção da gorda são os diversos doces e bombons expostos numa grande prateleira que sai do veículo, e o cartaz empunhado por um homem ao lado onde se lê em letras garrafais:
DEGUSTAÇÃO GRÁTIS!
PROVE OS SABOROSOS PETISCOS DE PÂTISSERIE DOCES FINOS E AJUDE-NOS A ESCOLHER. NENHUMA EXPERIÊNCIA NECESSÁRIA."
 
 
É curioso como algo decepcionante para outra pessoa, pode ser incrível pra você. Vi muitas críticas à esse último livro de Jô Soares, muitas pessoas dizendo que haviam se frustrado com ele, mas fato é que eu adorei! Talvez minha identificação com a escrita de Jô, que já vem de muito tempo, tenha ajudado. Talvez o motivo tenha sido que eu não esperava nenhuma história muito divergente daquelas que já li do autor, fator que contribuiu muito para a decepção de outros leitores. O que quero dizer é que Jô Soares é um grande escritor, tem mesmo o dom de criar tipos - como enuncia a sinopse - e tem um estilo fixo que segue em toda a narrativa. Tendo isso em mente, duvido que você não ficará do meu lado com relação a gostar ou não de As Esganadas.

No Rio de Janeiro, na época do Estado Novo, mulheres gordas começam a ser atacadas por um misterioso serial killer. Tá, nem tão misterioso assim, já que logo no início Jô nos conta quem é o responsável pelas mortes. E é aí que o livro toma rumos inesperados, deixando o leitor com a dúvida sobre o que virá agora que já sabemos quem é o assassino.
A partir daí começamos a acompanhar os desencontros entre investigadores e psicopata em meio à pressões políticas e campeonatos de futebol.

Eu poderia contar a vocês quem é o serial killer e quais foram suas motivações, já que o autor faz isso logo nas primeiras páginas, mas não é meu intuito estragar nem um pouquinho das descobertas macabras que vocês terão com esse livro.
O fato de o responsável pelos crimes ter sido revelado no início não estragou em nada a narrativa, visto que era essa a proposta do livro. Confesso que prefiro descobrir o culpado no final, mas nesse caso a revelação precoce nos permitiu acompanhar toda a ação do sádico. Esperem por cenas fortes, capazes de resultar em calafrios como os bons e velhos livros de terror.

Como disse no começo dessa resenha, concordo em gênero, número e grau com a sinopse quando esta diz que Jô é um bom criador de tipos. Ele utiliza muitos personagens que existiram de verdade, mas até os fictícios são extremamente reais.
Entre as personalidades históricas estão Fernando Pessoa, Filinto Müller, Lourival Fontes e até Hitler. Uns participando efetivamente da narrativa, outros sendo apenas citados.
Entre as criações do autor, merecem destaque Calixto, auxiliar do delegado Noronha e Tobias Esteves, um ex investigador português que vive hoje como confeiteiro no Rio.
Calixto é o personagem mais engraçado da história. Quem conhece as obras de Jô Soares, sabe que seu humor é peculiar, um tipo de humor inteligente, o qual você precisa estar atento à ironia de cada frase. E as partes em que essa característica mais aparece são nas de Calixto. Particularmente, é meu personagem preferido.
Tobias Esteves também é responsável por cenas de humor que, embora menores, trazem certa leveza frente às partes tensas que descrevem minuciosamente os assassinatos cruéis das pobres mulheres. Ele é inteligente, ao contrário de Calixto que é bem tapado, e nos mostra o jeito português de investigar um crime.

O livro dá margem a vários finais, e a real dúvida do leitor é se o assassino será pego ou conseguirá escapar impune. Seja qual for o final - pois é óbvio que não vou contar aqui - fiquei bem satisfeita com as cenas, visto que elas seguem perfeitamente o que foi proposto durante toda narrativa.

Com seu texto fluido e fácil, apesar de incluir palavras difíceis, características da língua culta da época, Jô me relembrou o porquê gosto tanto de seus livros. Como já disse, ele pode ser acusado de escrever sempre as "mesmas" histórias com roupagens diferentes, mas quem pega um livro do autor já deve ter em mente essa característica.
O legal desse livro é acompanhar os dois lados da história: a caça e o caçador. Legal é ficar tentando soprar para os investigadores que eles estão no rastro errado. Legal é perceber como o serial killer vai desenvolvendo seu lado psicótico escrito de forma magistral. Legal, de verdade, é perceber como o Brasil tem qualidade literária, pois, gostem ou não de As Esganadas, é necessário admitir que a qualidade dos nossos livros não deixam nada a desejar para grande parte da literatura estrangeira atual.

12 comentários:

  1. Oi, tudo bem?
    Nunca li nada do Jô, mas gostei do que você comentou sobre o livro, principalmente sobre a criação dos personagens, e a utilização de figuras reais na trama. Tenho até medo de pensar como Hitler se encaixou em um livro sobre serial killers, rs
    Adorei a resenha, e que bom que curtiu o livro
    beijos
    http://meumundinhoficticio.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hitler é mais citado mesmo, Bruna. A influência dele na trama é de uma forma mais indireta... :)

      Excluir
  2. Olá... tudo bem???

    Nossa parece ser uma história bem legal e se inclui assassinatos deve ser melhor ainda... bom eu não me senti muito motivada a ler o livro, mas confesso que fiquei bem curiosa... nunca li nada do autor e acredito que ele deve escrever bem os seus textos... bom vamos ver... ultimamente tenho mantido só a curiosidade nos livros... para comprá-los eu tenho que ficar muito interessada xero!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tb gosto de livros com assassinatos, Diana! Se algum dia vc estiver interessada a ponto de comprá-lo, espero que goste da leitura!

      Excluir
  3. Falou tudo! Muitas vezes o que outras pessoas não curtiram, serve exatamente para você. Te entendo totalmente, Mi. Confesso que o os livros do Jo nunca foram minha prioridade, mas fiquei curiosa em saber com quem eu iria concordar: com você ou com as outras pessoas que não curtiram a leitura =P

    beijos
    Kel
    www.porumaboaleitura.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi Mig tudo bem, não me permeti a ler nada do Jô, eu não a acompanho muito a carreira dele de autor, mas a história é bem interessante é construída, não vou dizer que leira para ontem, mas se tiver uma oportunidade de tê-lo lerei pela sua indicação!
    Bjkas
    Dani Casquet - www.livrosajaneladaimaginacao.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oie, tudo bom?
    Ao contrário da maioria, eu também adorei esse livro. Mesmo que o autor tenha revelado o assassino rapidamente, a escrita do Jô me conquistou muito nesse livro e fiz a leitura durante um dia. Aliás, a premissa desse livro é curiosa e instigante. Faz o leitor começar a ler sem parar. É um livro policial incrível e uma ótima opção entre as narrativas nacionais.
    Beijos,
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi, tudo bem?

    Eu nunca li nenhum livro do Jô Soares e achava que este livro se tratava de outra coisa. Fiquei interessada em ler e ver se vou gostar ou não.

    Beijos.

    http://livrosleituraseafins.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...