15.8.15

Ganhei um Nobel: Gao Xingjian

Prêmio Nobel de Literatura 2000: Gao Xingjian "por uma obra de valor universal, uma lucidez amarga e uma ingenuidade linguística que abriram novos caminhos para o romance e o teatro chineses".


Gao Xingjian nasceu na China, em 4 de janeiro de 1940, transformando-se, além de escritor, novelista, dramaturgo, crítico literário e pintor. Além disso traduziu obras de grande importância, como as de Samuel Beckett e Eugène Ionesco.

Nascido e criado na China, mais precisamente nas cidades de Ganzhou e Taizhou, foi testemunha da invasão japonesa em seu país, juntamente com seus pais, um funcionário do banco e uma atriz amadora. Estudou nas escolas da República Popular e foi graduado em francês no Departamento de Línguas Estrangeiras de Pequim.

Entre os anos de 1966 a 1976, durante a Revolução Cultural, Gao foi enviado a um campo de reeducação, onde queimou uma mala cheia de manuscritos. Só em 1979 conseguiu publicar seu trabalho e viajar para o exterior. Publicou contos, ensaios e dramas em diversas revistas literárias chinesas entre os anos de 1980 e 1987, além de quatro livros: Premier essai sur les técnicas du roman moderne (1981), A Pigeon Called Red Beak (1985), Collected Plays (1985) e In Search of a Modern Form of Dramatic Representation (1987).

Xingjian também teve várias de suas peças produzidas no Teatro de Arte Popular, em Pequim, sendo que muitas delas foram inspiradas em Brecht, Artaud e Beckett. Em 1986, sua obra L'autre Rive foi proibida e desde então mais nenhuma de suas peças foram realizadas na China.

O escritor passou um período de sua vida isolado nas montanhas de Sichuan, percorrendo o curso do rio Yangzi, da sua nascente até à costa. Em 1987, ele deixou a China e estabeleceu-se um ano mais tarde em Paris como refugiado político. Depois do massacre na Praça da Paz Celestial, em 1989, decidiu deixar o Partido Comunista Chinês. Após a publicação de La Fuite, que acontece contra o pano de fundo deste massacre, Gao foi declarado persona non grata pelo regime, o que acabou resultando na proibição de suas obras.

Naturalizou-se francês em 1997, e foi agraciado com o Nobel de Literatura no ano de 2000. No Brasil, sua única obra publicada é A Montanha da Alma, porém o título Uma Cana de Pesca para o Meu Avô foi publicado em Portugal, e é uma outra opção em português para quem quer conhecer a escrita do autor.

4 comentários:

  1. Oi, Michelly!
    Embora eu ame a Ásia, nunca li nada de literatura chinesa (só japonesa e coreana). Esse escritor tem uma história bem marcante, não o conhecia. Uma pena que só tenha um livro dele publicado aqui no Brasil, acredito que seja o de maior sucesso, não? :D

    Beijos,
    Rebecca - comodevorarlivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Olá, Michelly!
    Eu gosto muito de ler autores de diversas nacionalidades, mas ainda não li nenhum chinês.
    Ótima dica!
    Beijos!
    SUA ESTANTE
    Gatita&Cia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tava com esse projeto aí pra esse ano, de ler autores de variadas personalidades, mas acho que não levei muito à serio... :/ Vou ver se ano que vem eu faço uma meta mais bem definida sobre isso!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...