7.8.15

Resenha: O Príncipe de Westeros e Outras Histórias


O Príncipe de Westeros e Outras Histórias - vários autores
480 páginas


"Encantamento era uma segunda natureza. Tratava-se simplesmente de fazer as pessoas verem o que queriam ver. Fazer as pessoas de bobas era tão simples quanto cantar. Enganar e contar mentiras era como respirar."


Originalmente essa antologia foi publicada nos EUA com o nome de Rogues, o que pode ser traduzido como Canalhas, que eu acho que seria o título mais apropriado aqui no Brasil. Mas tudo bem, entendo a estratégia de marketing da editora em colocar o conto de Martin como chamariz. De qualquer forma, desde que soube de seu lançamento entrei em combustão, já que o livro reúne contos de dois de meus autores preferidos, o próprio Martin e Patrick Rothfuss. Assim que o livro foi traduzido tratei de garantir o meu, e te digo que foi a melhor coisa que fiz!
Nem todos os contos são do gênero fantástico, como George, enquanto organizador, afirma em sua introdução. Cada escritor foi fiel à seu estilo, dando origem a contos extraordinários onde os canalhas são o foco. Sei que falar sobre cada um pode deixar essa resenha maior do que seria o ideal, mas não vou resistir... Preciso contar pelo menos um pouquinho de cada pra vocês. Mas não se preocupem, sei que vocês vão amar, afinal de contas todo mundo ama um canalha!

Como o Marquês recuperou seu casaco - Neil Gaiman: nesse conto acompanhamos o Marquês de Carabas na busca por recuperar seu casaco de vários bolsos. Fiquei receosa pois as experiências que tive com Gaiman não haviam sido tão boas até agora, porém esse conto me fez ver o autor sob outra perspectiva. A narrativa é intrigante e estranha de uma forma deliciosa. Parece que a ambientação, Londres de baixo, é parte de um outro livro do autor, mas o fato de eu não conhecer essa outra história não prejudicou em nada minha leitura. Muito bom!

Proveniência - David W. Ball: quando comecei a ler esse conto, pensei que fosse uma história mais voltada para o lado policial, mas não estava entendendo muito bem aonde o autor queria chegar. Max Wolff é um vendedor de quadros raros que prefere agir na surdina. Ao receber uma carta avisando sobre um Caravaggio ele corre à procura de alguém para vendê-lo e começa a explicar a origem da obra de arte. A partir daí é que senti que a história realmente começa a fazer sentido, então passei a gostar mais. Mas a melhor parte desse conto é o final, que é deliciosamente inesperado!

Qual é a sua profissão? - Gillian Flyn: logo de cara esse conto já surpreende. A personagem principal tem uma profissão bastante incomum, ela é uma especialista em punhetas. É isso mesmo que você leu, não tem uma forma mais suave de eu contar isso pra vocês. Acontece que, graças à um problema no punho - ossos do ofício -, ela é promovida à vidente, que é um outro serviço prestado pelo estabelecimento em que trabalha. E é aí que ela conhece uma mulher atormentada por estranhos acontecimentos paranormais. Com a intenção de arrancar um dinheiro fácil da pobre coitada, nossa protagonista se aproxima mais dela, porém acaba descobrindo que não se deve brincar com fogo. A única coisa que tenho a reclamar desse conto é que o final repentino me decepcionou um pouco, não por ser ruim, mas por que eu fiquei louca pra saber mais dessa história!

Um jeito melhor de morrer - Paul Cornell: esse eu não gostei. Achei a história do homem que precisa superar um inimigo mortal muito confusa, até para uma ficção científica, que normalmente é um gênero onde o estranho cai bem. Foi mesmo estranho, mas não um estranho bom como o conto de Neil Gaiman. Uma pena.

Um ano e um dia na velha Theradane – Scott Lynch: eu já havia lido um livro do autor e gostei muito de partes de le, mas outras me pareceram entediantes. Sendo assim, havia decidido nem continuar lendo a tal série, porém, depois de ler esse conto tudo mudou! Finalmente percebi a genialidade de Lynch, a qual todos bradavam, mas só eu não conseguia enxergar. Esse conto trata de um grupo de canalhas que precisam roubar algo praticamente impossível. O cenário criado é incrível, os personagens são incríveis, a narrativa é incrível e o desfecho só não é incrívelmente perfeito porque me deixou muito curiosa pra saber o que vem depois! Tudo bem, admito que Lynch é um dos grandes novos talentos da literatura fantástica, e vou sim dar uma nova chance pra série dele que havia abandonado.

A caravana para lugar nenhum – Phyllis Eisenstein: outro conto que me surpreendeu pela qualidade da escrita. Não conhecia o autor e já fiquei sabendo que, infelizmente, ele não tem livros publicados no Brasil. O que é uma pena, pois eu queria muito conhecer outras histórias do protagonista desse conto, Alaric, um bardo que tem o poder de viajar entre lugares em um piscar de olhos. O sentimento mais presente durante a leitura desse texto foi o de curiosidade. Aquela curiosidade boa, sabe, que nos instiga a ler mais e mais e mais, sedentos por desvendar o mistério que o autor guarda. Mas não se engane, depois de desvendado o mistério, Phyllis nos presenteia com um final eletrizante. Muito bom!

O galho envergado – Joe R. Lansdale: esse é o conto mais violento entre todos. Fala sobre a busca por uma mulher desaparecida, numa trama envolvendo drogas e prostituição. Muito bem escrito, mesmo sendo uma história de investigação o humor está presente em cada fala. Adorei os dois personagens principais, principalmente o descontrolado Leonard. Com certeza irei procurar outras obras do autor pra ler.

A árvore reluzente – Patrick Rothfuss: esse conto, juntamente ao escrito por Martin, foram os responsáveis por eu ter me interessado tanto por esse livro. E Patrick não me decepcionou. Finalmente pude matar um pouco a saudade de Kvothe, meu personagem preferido no mundo! Não tinha percebido a falta que sinto dele até ler sua primeira fala, meu coração até doeu... Definitivamente, não estou preparada para o fim de sua saga. Além de a história, que é focada em Bast, ser incrível, ágil, curiosa, engraçada e extremanete criativa, gostei de Rothfuss ter mantido um pouco do tom poético de A Música do Silêncio. Isso trouxe um lirismo que contribuiu para que esse conto fosse tão perfeito.

Em cartaz – Connie Willis: Lindsey vai ao cinema tentar assistir a um filme, mas parece que algo conspira contra ela, fazendo com que uma simples diversão vire uma tarefa quase impossível. A narrativa dessa história é ágil, típica dos chick-lits, mas é totalmente fora do comum, bem maluca mesmo. É certo que a protagonista foi vítima de uma conspiração, agora resta saber se foi por parte do cinema ou do ex-namorado. Estou até agora tentando decidir...

O Príncipe de Westeros ou o irmão do rei – George R. R. Martin: finalmente o último conto do livro, e provavelmente o mais aguardado pelos leitores. Como já disse, Martin e Rothfuss foram os responsáveis pelo meu interesse desmedido por essa obra e, graças a Deus, saiu tudo como eu imaginava! Dizem que ele é um trecho de O Mundo de Gelo e Fogo, que eu tenho mas ainda não li, portanto ele foi novidade pra mim. A história gira em torno de Daemon Targaryen, irmão do rei Viserys I, um canalha de mão cheia. A narrativa faz parecer que estamos lendo um livro didático de história, mas não deixa de ser empolgante por isso. Obviamente, é a história do príncipe bem resumida, o que me fez imaginar o quanto seria brilhante um livro sobre ele! De qualquer forma, valeu pra matar a saudade de Westeros, fechando brilhantemente essa antologia que é uma das melhores que já li.

Alguém tem dúvidas se recomendo a leitura? ;)

4 comentários:

  1. Esta antologia possui uns contos muito bons, e outros já não gostei tanto assim. O meu preferido é A Árvore Reluzente. Simplesmente espetacular em minha opinião.

    bomlivro1811.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tb achei espetacular! Patrick Rothfuss é sempre espetacular!

      Excluir
  2. Oii!

    Eu Acho que 90% das pessoas que compraram esse livro estavam ansiosos pelo ultimo conto. EU adoro contos! maaas não nesse estilo, então acabo não me interessando pela leitura. Mas gostei do que eu vi por aqui, gosto dessas mini resenhas porque parece que explica melhor a obra.

    Fiquei feliz que você tenha gostado desse livro e que tenha sido uma das melhores que vc já leu :D


    Beijinhos,
    www.entrechocolatesemusicas.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha intenção foi justamente dar uma ideia melhor sobre cada conto, já que a maioria das resenhas de antologias fala muito superficialmente sobre as histórias em si...

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...