24.10.15

Gênero do mês: Fantasia

Para começar a coluna Gênero do Mês com o pé direito, escolhi falar sobre meu gênero preferido: a literatura fantástica.


Literatura fantástica é o gênero onde as narrativas apresentam elementos que não existem, ou pelo menos não são reconhecidos pela ciência dos tempos em que a obra foi escrita. Dentre tais elementos imaginários, podemos citar como exemplo os mais variados tipos de monstros, animais ou seres inanimados que falam e, obviamente, a presença de magia no mundo. Como esses são eventos que não pertencem à nossa realidade, acabam ilustrando de forma clara o que se espera da literatura fantástica. Nesses livros também é comum nos depararmos com mundos que têm ciência e tecnologia próprias, sem nenhum compromisso com o que já existe. São personagens comuns: jovens guerreiros, magos, profecias, dragões, centauros, elfos, bruxos etc.

Porém, é importante frisar que, para que uma história se enquadre nesse gênero, é essencial que esses elementos apareçam, de fato, como parte daquela realidade, não podendo ser, de forma alguma, vistos como uma figura de linguagem. Explico. Se o leitor entender os eventos fantásticos apenas como uma alegoria, por exemplo, o texto perde sua característica de fantasia e passa a ser algo como uma fábula, cujos elementos fantásticos servem apenas como um artifício para criar uma lição de moral.

Apesar de ser considerada parte da ficção especulativa juntamente com a ficção científica e o horror, a fantasia se diferencia delas por ficar longe de temas científicos e macabros, respectivamente, embora, mesmo assim, ainda exista uma grande sobreposição entre os três gêneros.

Desde o surgimento - muito bem sucedido, diga-se de passagem - da trilogia O Senhor dos Anéis, de J. R. R. Tolkien, esse gênero passou a ser dominado por sua forma medieval (que, por sinal, é minha forma de fantasia preferida). Mas ela também se apresenta em outras estruturas, como quando é misturada com a realidade. Nesse contexto, o exemplo mais óbvio é a saga Harry Potter, escrito por J. K. Rowling. Apesar de sua narrativa ser totalmente inserida no contexto fantástico, a história também se passa em Londres, trazendo personagens humanos normais, os quais são chamados na obra de "trouxas". 

Dentro do gênero fantástico, encontramos algumas subdivisões, as quais geralmente são a junção desse com outros gêneros. São eles:

  • Alta fantasia ou high fantasy: nessa categoria o autor cria um mundo inteiramente novo, com raças, cultura e história próprios, sem nenhuma obrigação com a realidade. Normalmente, nesses livros há a clássica luta do bem contra o mal, além da busca pela salvação do mundo diante da ameaça de destruição completa. São exemplos de alta fantasia a já mencionada trilogia O Senhor dos Anéis, As Crônicas de Nárnia, A Roda do Tempo, Shannara, entre outras.
  • Fantasia heróica ou fantasia de espada e magia: esse subgênero, que pode até ser considerado parte da Alta Fantasia, se destaca por ter como foco o herói e sua aventura, e não a luta entre o bem e o mal. Esse herói, inclusive, na maioria dos enredos acaba tornando-se um grande líder depois de relutar um pouco sobre isso. São exemplos de fantasia heróica As Crônicas de Gelo e Fogo, A Crônica do Matador do Rei, Conan, Queda dos Reinos, Nobres Vigaristas, entre outras. 
  • Fantasia contemporânea ou low fantasy: esse tipo de fantasia é ambientada no mundo real, onde os elementos mágicos escondidos só são revelados para poucos escolhidos. Nesse caso, a palavra low (baixo) diz respeito justamente ao fato de a magia não ser tão difundida como na alta fantasia, onde todos têm conhecimento de sua existência. Portanto não confunda o baixo como de baixa qualidade, visto que ela não é hierarquicamente inferior à high fantasy. São exemplos de fantasia contemporânea Harry Potter, Os Instrumentos Mortais, Reckless, Percy Jackson, As Crônicas dos Kane, entre outras. 
  • Fantasia obscura ou dark fantasy: muito similar ao horror, a dark fantasy se caracteriza por fixar sua base em criaturas ditas das trevas que vivem num submundo obscuro, típicos das histórias de terror. Apesar dessa definição, esse não é um gênero fácil de se identificar. São exemplos de fantasia obscura Entrevista com o Vampiro, Fortaleza Negra, Sonho Febril, Os Sete, entre outras.

Há também, os que consideram outros subgêneros, como a fantasia romântica e a fantasia ficcional, porém, na minha concepção, eles acabam por ser absorvidos por outras categorias. Sendo assim, optei por citar apenas os quatro acima, que são mais recorrentes nos estudos sobre a literatura fantástica.

No Brasil, houve um crescimento desse tipo de literatura nos últimos tempos. Vários novos autores têm se empenhado em escrever histórias de fantasia, e dentre tantos é possível encontrar muitos livros de qualidade. São exemplos de autores que ganharam destaque nesse gênero André Vianco, Eduardo Spohr, Raphael Draccon, Carolina Munhóz, Eric Novello e Renata Ventura.

Goste ou não de fantasia, todos têm que admitir que esse é um dos gêneros com mais força na literatura, além de ter um dos maiores volumes de obras complexas e bem escritas. Além dos temas sobrenaturais, não raro encontramos debates acerca de questões filosóficas e sociais, importantes para a formação do leitor enquanto cidadão, o que é outro ponto positivo que vale ser citado.

Bom, como eu amo fantasia, sou supeita pra falar. Mas fato é que adorei contar um pouquinho mais sobre esse gênero pra vocês. Espero que tenham gostado! Se quiserem me indicar livros de fantasia, é só deixar nos comentários que agradeço muito. :)

6 comentários:

  1. Gosto muito deste gênero também, sendo que meus livros preferidos até agora são: As Crônicas do Matador do Rei, Mistborn, O Oceano no Fim do Caminho, As Mentiras de Locke Lamora e outras mais que posso ter esquecido rsrsrs

    bomlivro1811.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A história do Kvothe tb é uma das minhas preferidas, mas não gostei tanto quanto esperava de Locke Lamora... :/ Tenho O Oceano do Fim do Caminho e o primeiro volume de Mistborn e logo logo vou poder te contar se concordo com vc! hehe

      Excluir
  2. Oi Michelly
    Eu sou aficionada por fantasia. É um dos meus gêneros favoritos e é também o gênero que tenho mais facilidade para escrever, tanto que tenho uma série fantástica em andamento. Eu já tinha estudado sobre essas classificações de gênero na faculdade, mas adorei rever. Confesso que não me recordava de todos as divisões do gênero. Adorei o post.
    Beijos

    Vidas em Preto e Branco 

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que vc gostou, Lary! Tenho muita vontade de escrever um livro de fantasia, mas ainda tô nos preparativos...

      Excluir
  3. Fantasia é, hands down, meu gênero preferido ever. ♥ Adoro mergulhar nas realidades e mundos criados pelos autores e deixar a criatividade viajar bem durante a leitura. ♥ Um livro de literatura fantástica que estou lendo e gostando bastante é o Carry On da Rainbow Rowell - e é engraçado que é o primeiro livro dela que me chamou atenção, e o primeiro de fantasia dela -, e um dos motivos de eu estar gostando é justamente pela criatividade da autora, o jeito que ela resolveu que a mágica funciona nesse universo específico. xD

    Beijos :D
    lui-lilymon.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda não conheço esse livro mas agora vou procurar saber mais dele! Obrigada pela dica!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...