Drácula


Autor: Bram Stoker
Editora: Zahar
Nota: 4/5

Clássico do horror, Drácula foi escrito por Bram Stoker no século XIX. Mas antes de escrever a história original, o autor se dedicou a pesquisar o folclore da Europa e os mitos sobre o ser que seria o protagonista de sua história, o vampiro. Em 1889 ele começa, de fato, a escrever o clássico, que fica pronto e é publicado em 26 de maio de 1897.

Utilizando uma técnica muito popular na década de 1860, Stoker lança mão de cartas e relatos, por meio dos diários dos personagens, para contar sua história. Chamada de "sensacionalismo" e representando uma das formas da ficção gótica, essa técnica tem o objetivo de convencer o leitor da veracidade dos fatos, visto que tudo é contado através de documentos supostamente confiáveis. Além disso, ela favorece o suspense, visto que os personagens responsáveis pelos relatos não possuem pleno conhecimento dos acontecimentos, fazendo com que as descobertas aconteçam aos poucos também para o leitor. Stoker não foi o único a usar tal artifício, mas com certeza é um dos mais bem sucedidos nessa empreitada.

Começamos a história acompanhando Jonathan Harker, um advogado que vai à Transilvânia auxiliar um certo conde na aquisição de uma propriedade em Londres. E esse conde, como tenho certeza que você já pensou aí, é o conde Drácula.

Drácula pode ser considerado como a representação humana do mal. O tom sombrio que irá nos acompanhar durante toda a obra já está presente logo nas primeiras páginas. Todos a quem Jonathan revela quem está indo encontrar reage de forma estranha, inclusive o presenteando com crucifixos e coisas do tipo. Mesmo assim, o advogado segue seu caminho e junto dele, conhecemos o personagem título dessa história.

Todavia, a narrativa não fica focada nesses dois personagens o tempo todo. Inclusive, depois de alguns capítulos o conde Drácula sai de cena e passa a exercer sua influência na história de uma forma mais abstrata. A partir daí, passamos a acompanhar a vida de outras pessoas: Mina Murray, que é noiva de Jonathan; Lucy Westenra, amiga de Mina; Arthur Holmwood, Quincey Morris e John Seward, todos pretendentes de Lucy; e o famoso dr. Van Helsing, um médico que vai cuidar de personagens que começam a apresentar sintomas estranhos, como palidez extrema, por exemplo.

O texto de Stoker é, concomitantemente, aterrorizante e lírico. Os quatro primeiros capítulos, quando vemos Drácula em ação, possuem os trechos mais emblemáticos da obra. É ali que descobrimos mais sobre o vampiro: sua força, seus costumes, suas mulheres. Só as intenções do cruel personagem é que ficam obscuras, o que traz o principal elemento de terror da história: o fato de os personagens estarem à mercê de uma criatura maléfica e totalmente desprovida de humanidade.

O livro, no geral, traz elementos característicos da literatura gótica, como a descrição de viagens, a ambientação em castelos e cemitérios, e o uso da psicologia do terror. Além disso, a narrativa promove um curioso confronto entre ciência e sobrenatural. Não raro, houve uma tentativa de explicar a figura mítica do vampiro através de elementos científicos da época.

Li a edição comentada da Zahar e fiquei satisfeita com o resultado final. Além do belíssimo trabalho com a capa e detalhes do livro, a tradução feita por Alexandre Barbosa de Souza é confiável e, ao que me parece, manteve o tom pretendido por Bram Stoker. O tradutor também é o responsável por fazer a Apresentação, onde fala sobre autor e obra. No final do livro, uma cronologia nos coloca a par do caminho trilhado por Stoker durante sua vida.

Tirei um pontinho (dei nota 4) apenas porque gostaria que o desfecho fosse um pouco mais trabalhado, que os objetivos fossem mais difíceis de serem atingidos. Mas isso é só uma questão baseada no meu gosto pessoal enquanto leitora. Não é absolutamente nada que desabone a obra magnífica que Stoker deixou para a eternidade e que acredito que todos deveriam conhecer.

Comentários

  1. Oi Michelly tudo bem? Drácula é um dos emus livros preferidos, amo demais! A narração em forma de cartas, relatos, diários me chamou muita atenção. É uma obra rica pra gente reler várias vezes!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mi!
      Tb acho muito legal a forma que Stoker escolheu para construir seu texto, é um recurso que realmente prende a atenção do leitor. Foi uma experiência incrível!
      Beijos!

      Excluir
  2. Oi Michelly!
    Que linda essa edição da Zahar!
    Eu nunca li Drácula mas preciso muito ler. Gostei da sua resenha!

    Beijos,
    Sora | Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sora!
      A Zahar faz umas edições muito lindas, né?! É uma das editoras que mais capricham e o mais legal é que eles trazem títulos muito importantes com uma aparência incrível.
      Leia Drácula sim, é um livraço! ;)
      Beijos!

      Excluir
  3. Viva,

    Dos melhores livros que li com a presença de Vampiros, muito bom mas tambem fiquei com a sensação que faltou ali um pouco mais :)

    Bjs e boas leituras

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fiacha!
      Também é dos meus livros de vampiro preferidos! Ele e Sonho Febril, do George Martin. :)
      O final foi bom, eu só esperava que o desenvolvimento dele fosse mais longo. Foi essa a sua impressão também?
      Beijos!

      Excluir

Postar um comentário