Por que estudar literatura?


Segundo o dicionário, literatura é a forma de expressão escrita que se considera ter mérito estético ou estilístico. Segundo milhões de leitores espalhados pelo mundo, literatura é diversão, é fonte de conhecimento, é a oportunidade de fugir de uma realidade ou de conhecer outras. Pra mim, literatura é amor.

Mas que gosto de ler, é óbvio, afinal tenho um blog sobre livros. Acontece que meu interesse vai além disso pois também procuro me informar sobre a teoria no que concerne à essa arte. Não sou graduada em Letras nem tenho nenhuma especialização em literatura, logo, só sei o que aprendi por meios próprios. Gosto de estudar, por minha conta mesmo, as escolas literárias, o contexto histórico onde cada uma delas está inserida, os autores e textos mais importantes de cada época. E isso não só no Brasil, tanto porque se a literatura é a arte da palavra, não importa em qual língua essa palavra seja escrita, desde que cumpra seu papel de meio transformador.

Já falei aqui que acredito que vale, sim, ler qualquer coisa, mas também acho importante buscar amadurecer enquanto leitor, da mesma forma que é necessário amadurecer em outros aspectos da vida. Esse processo, que passa por ler variados estilos, gêneros e autores, pode ser reforçado pelo conhecimento técnico sobre aquilo que lemos.

Se você sabe, por exemplo, que a literatura produzida no Brasil na primeira metade do século XIX faz parte de uma escola chamada Romantismo, ao ler um livro escrito nesse período você estará consciente de que vai encontrar nele características da época, como o maniqueísmo, a idealização do herói e o amor como forma de redenção. Assim, consequentemente estará mais preparado para aceitar o que tal obra lhe reserva e para entender o que ela pretende lhe dizer.

Aí entra meu interesse por estudar o assunto e, pela minha experiência, garanto que a prática da leitura fica ainda melhor quando você está inserido no contexto daquilo que está sendo lido. 

Quando você tem ciência de que Mary Shelley escreveu Frankenstein em 1818 em meio à Revolução Industrial, entende que grande parte da produção literária daquela época reflete suas principais discussões, no caso, o poder que o homem exerce sobre a natureza, seja por meios científicos, seja através das novas tecnologias. Portanto, as divagações da autora não são mera "chatice", como já vi por aí, mas mostram os questionamentos da sociedade onde ela estava inserida. Frankenstein foi importante como objeto de reflexão para seus contemporâneos, assim como é importante hoje ao representar um mergulho na história através das dúvidas e temores de alguém que viveu aquilo na prática.

Não me entendam mal. Todos nós temos o direito de gostar ou não gostar de qualquer coisa, inclusive esse é mais um assunto de que já tratei aqui. O que eu considero um erro é o julgamento de uma obra sem que o leitor tenha o prévio conhecimento do que ela significa para a história. Não gostar é uma coisa, desrespeitar um autor ou uma obra fazendo uma análise precipitada e superficial é outra. Eu não gosto de Capitães da Areia mas entendo sua importância para representar uma época e, obviamente, respeito Jorge Amado.

Sobre isso, tenho até que fazer um parênteses. Na primeira fase do MUP eu fazia resenhas de todos os livros que lia, inclusive dos que não havia gostado. Hoje eu percebo que fazer uma resenha de uma obra a qual não gostei serviria apenas para "falar mal" dela, desestimulando a leitura e muitas vezes desrespeitando aquele trabalho. A partir dessa reflexão foi que optei por não resenhar livros que eu não tenha gostado, visto que, por mais que eu me controle nas críticas, é algo que não vai somar em nada nem pro blog nem pros leitores. Lógico que vou falar sobre minhas decepções literárias também, é necessário, mas farei isso através de comentários mais leves como em listas ou desabafos.

Isso foi algo que refleti quando comecei a estudar literatura de uma forma mais aprofundada, o que é mais um indício de que o conhecimento técnico estimula, sim, o amadurecimento enquanto leitor.

Mas, afinal, por que eu estou dizendo tudo isso?

Há algum tempo venho querendo me aprofundar um pouco sobre questões teóricas por aqui, então pensei numa maneira resumida e descomplicada de falar sobre a história da literatura com o objetivo de introduzir alguns conceitos básicos que irão enriquecer a experiência do leitor que se interessar pelo tema. Vamos começar pela literatura brasileira, mas pretendo ultrapassar nossas fronteiras e abarcar outras importantes escolas mundo afora, como Inglaterra, Rússia e França, por exemplo.

Como já esclareci não tenho formação acadêmica na área, sou apenas uma leitora empenhada em aprender. Sempre. Sendo assim, em breve começarei a compartilhar esse aprendizado com vocês. Espero que me acompanhem nesse projeto e, sobretudo, que ele colabore para que vocês se apaixonem ainda mais pelo mundo dos livros.

Comentários

  1. Amei a postagem e a ideia de apresentar mais sobre a história da literatura. Assim como você, não tenho nenhuma formação acadêmica nessa área, mas pesquiso muito sobre o assunto, sempre procuro conhecer as situações que estavam presentes na época em que um livro que leio foi escrito, ainda mais se for uma obra que mudar a minha vida. Perdi a conta de quantos artigos, TCC e outros tipos de trabalhos acadêmicos li referente a O Retrato de Dorian Gray, O Médico e o Monstro e O Mestre e Margarida, simplesmente mergulhei na história de época por trás dessas obras e foi um ensinamento que nunca esquecerei na vida.
    Literatura e contexto histórico andam juntos e realmente precisam de mais atenção, é bom saber que você tem a intenção de falar mais sobre isso aqui no blog, com certeza será super útil!
    Beijinhos <3

    Toca da Lebre

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nanda!
      Isso que vc falou é muito interessante. Eu comecei a pesquisar o contexto de um livro antes de começar, de fato, a leitura, e realmente é algo muito positivo para nossa compreensão da história.
      Por exemplo, li Vozes de Tchernóbil só com as informações que eu já tinha sobre o desastre e teve alguns relatos durante a leitura que precisei parar para pesquisar para entendê-los melhor. Já com A Festa do Bode, que trata da ditadura trujillista na República Dominicana, fiz diferente e pesquisei a história do país antes da leitura, e acabou sendo muito mais claro pra mim!
      Concordo com vc qd diz que literatura e história não se separam!
      Espero que vc goste dos posts que virão por aí!
      E muito obrigada pelo apoio de sempre, viu?! ;)
      Beijos!

      Excluir
  2. Amei a ideia do projeto e com certeza irei acompanhar!
    Não costumo pesquisar tanto sobre escolas literárias, mas tenho uma paixão muito grande por psicologia (apesar de não ser a minha área), então costumo pesquisar e estudar a psicologia por trás de várias obras que leio... Acho que de certa forma acabo obtendo também algum conhecimento sobre a história por trás desses livros, o que é ótimo né? Conhecimento é tudo =D

    Beijão =D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Dora!
      Ficarei muito feliz em ter sua companhia, viu?! Obrigada!
      Isso de pesquisar a psicologia é muito interessante e ainda mais difícil do que estudar as escolar literárias. É um assunto complexo que, com certeza, soma conhecimento!
      E conhecimento é tudo sim! :)
      Beijos!

      Excluir
  3. Olá Michelly
    Esse post foi bastante interessante, e me fez lembrar meu primeiro ano do ensino médio, que passei o ano todo estudando romantismo e suas fases, e achava tão chato, mas fui amadurecendo e vendo que a literatura ela muda tanto a gente, eu tinha um professor que dizia que uma música te muda por uns dias e depois você esquece da letra, já a literatura te faz crescer e te muda para toda vida e eu super concordo com ele! Amei demais seu post!
    Beijos <3

    estanteclassica.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nívea!
      Que professor maravilhoso esse seu! Amei o que ele disse!
      Acho que isso de achar uma matéria legal ou chata tem muita ligação com a forma com que ela é passada pra gente. Um professor igual a esse seu consegue cativar o aluno e mostrar o melhor lado daquilo que está ensinando. Portanto, que tenhamos cada vez mais professores assim!
      Beijos!

      Excluir
  4. Hry!
    Eu acho que todo leitor deveria se dedicar um pouco a estudar teoria literaria e a historia da literatura, issso enriquece muito a experiencia de leitura, e é atraves desses conhecimento adquiridos que conseguimos entender detalhes que as vezes nos passam despercebidos.
    Otimo texto o seu! Super concordei com seu ponto de vista.
    xoxo

    P.S.: Quem anda falando mal de Frankenstein por ai?? Como ousam?! Me passa a lista de nomes para eu bater ò.ó
    Haushaushaua brincadeira :v

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ozzy!
      Com certeza conhecer um pouco de teoria literária nos enriquece enquanto leitor! Eu sou a prova viva pois vejo uma evolução gigantesca desde que comecei a estudar literatura de uma forma mais aprofundada.
      Depois eu te passo a lista em off, tá?! kkkkkkkkk
      Beijos!

      Excluir

Postar um comentário