Um guia das irmãs Brontë

Livros das irmãs Brontë empilhados

Vamos falar sobre um de meus assuntos preferidos? Sim, irmãs Brontë!

No final do ano passado fiz um post bem completo sobre Charlotte, Emily e Anne, três escritoras maravilhosas que me conquistaram de forma avassaladora, inclusive mencionei lá todos os seus romances. Contudo, resolvi fazer um guia que inclui também suas poesias e não ficção para quem se interessa em ler sua obra completa em ordem cronológica.

Apesar de muitos leitores - e eu me incluo nesse grupo - considerarem sua produção literária como uma coisa só, cada irmã tem suas características próprias. Charlotte é mais realista que Emily, a qual usa elementos mais imaginativos em seu único romance, O Morro dos Ventos Uivantes. Já Anne é o que poderíamos chamar de romancista clássica. Enquanto as tramas de Charlotte são mais complexas, as de Anne são mais simples se comparadas as da irmã mais velha. Emily, com certeza, é a mais original das três.

Mas para que você tire suas próprias conclusões sobre essas escritoras incríveis, deixo aqui a cronologia de suas obras.

Conto e romances

1842: L'Ingratitude, Charlotte Brontë

Em fevereiro de 2012, o pesquisador Brian Bracken descobriu um conto escrito por Charlotte, o qual havia sido encomendado como lição de casa por seu professor de francês, Constantin Heger, por quem a autora foi apaixonada. Com forte inspiração em La Fontaine e J. P. Florian, L'Ingratitude (A Ingratidão) é uma fábula sobre um ratinho imprudente. O texto pode ser lido aqui, em francês.

Agosto de 1847: O Professor, Charlotte Brontë

Apesar de publicado apenas em 1857, O Professor foi o primeiro romance escrito por Charlotte, o qual foi rejeitado ao ser oferecido às editoras junto com as primeiras obras de suas irmãs. Ele é narrado por um jovem professor inglês chamado William Crimsworth que vai para a Bélgica à procura de trabalho e se apaixona por uma de suas alunas.

16 de outubro de 1847: Jane Eyre, Charlotte Brontë

É um romance de formação que acompanha a personagem-título desde a infância até a fase adulta. Com uma vida solitária e cheia de percalços, Jane conquista o leitor por sua honra e sua inteligência, se tornando um exemplo para as mulheres do nosso tempo. Jane Eyre é, sem dúvidas, minha personagem feminina favorita.

Dezembro de 1847: O Morro dos Ventos Uivantes, Emily Brontë

O único romance da autora narra a trágica história de um amor doentio. Bem diferente das irmãs, Emily traz elementos sobrenaturais à sua obra, a qual tem um clima sombrio o que reflete bem a personalidade dos personagens principais: Catherine e Heathcliff.

Dezembro de 1847: Agnes Grey, Anne Brontë

Muitas vezes a Brontë mais nova é relegada a um papel de menor importância na história dessas irmãs, mas isso não poderia ser mais equivocado. Logo nesse seu primeiro romance, Anne demonstra seu talento ao escrever uma trama na qual a personagem-título passeia por temas importantes e levanta discussões sobre valores morais e costumes sociais da época.

Junho de 1848: A Inquilina de Wildfell Hall, Anne Brontë

O segundo e último romance de Anne foi também seu maior sucesso. Ele acompanha a trajetória de Helen Graham, uma mulher forte e determinada que, em pleno século XIX, decide tomar as rédeas de sua própria vida e vai viver em Wildfell Hall com o filho. Lá ela encanta um jovem fazendeiro que fica incomodado ao perceber que a moça tem algo a esconder.

1849: Shirley, Charlotte Brontë

Como a própria sinopse preconiza, Shirley narra duas histórias de amor. Apesar do título, a trama foca não só na herdeira Shirley Keeldar, como também na orfã Caroline Helstone. Com trajetórias muito diferentes essas duas personagens guiam o leitor por uma narrativa cujo drama psicológico e a busca pela identidade têm lugar especial.

1853: Villette, Charlotte Brontë

Último romance de Charlotte, Villette é considerado como uma autobiografia da autora. Ele narra o conflito sentimental da personagem principal, Lucy Snowe, diante de dois homens, o professor Paul Emanuel e o médico John Graham Bretton. Mas é claro que uma história escrita por uma Brontë não se resume à isso, mas também propõe ao leitor inúmeras outras reflexões. 

Poemas

Maio de 1846: Poems by Currer, Ellis and Acton Bell

Para não chamar atenção numa época onde mulheres escritoras não eram bem aceitas, Charlotte, Emily e Anne publicaram por conta própria uma coletânea de poemas utilizando pseudônimos masculinos. Contudo, esse livro vendeu míseros dois exemplares, o que não foi suficiente para fazê-las desistir de escrever. Leitores do mundo inteiro, com certeza, agradecem pela persistência delas.

1941: The Complete Poems of Emily Jane Brontë, organizado por C. W. Hatfield

Essa é a obra poética completa de Emily, a qual reúne alguns poemas que já haviam sido publicados por sua irmã mais velha, Charlotte, e outros que foram descobertos por pesquisadores ao vasculharem os cadernos da autora de O Morro dos Ventos Uivantes.

1944: O Vento da Noite, poemas de Emily Brontë, edição brasileira

Publicado pela primeira vez em 1944 pela editora José Olympio e posteriormente, em 2016, reeditado pela Civilização Brasileira, esse é o único livro de poemas de Emily Brontë disponível no Brasil. A obra bilíngue foi organizada por Ésio Macedo Ribeiro e reúne 33 poemas da autora traduzidos por Lúcio Cardoso.

Acredito que organizar os livros pela ordem em que foram escritos torna mais fácil acompanharmos o amadurecimento dos textos das autoras. Contudo, como vocês puderam perceber, é muito difícil organizar os poemas pela mesma ordem, visto que grande parte deles só veio a publico após a morte de Emily. Sendo assim, optei por mostrar as obras poéticas pela ordem de publicação, ao contrário dos romances, que estão pela ordem de escrita.

No mais, só me resta recomendar, mais uma vez, que vocês leiam a obra dessas irmãs que são símbolos da Era Vitoriana e representam o melhor que a literatura inglesa tem a nós oferecer (o que não é pouca coisa). Divirtam-se!

Comentários

  1. Bem interessante e esclarecedor o post.
    Boa semana!

    Jovem Jornalista
    Fanpage
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
  2. Recentemente li O morro dos ventos uivantes e achei sensacional. Já tinha ficado curiosa para conhecer mais trabalhos das irmãs Bronte e agora, com esse post, já posso ir atrás destas obras =D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Dora!
      Vai sim! Eu não me canso de recomendá-los pq todos os que eu li são realmente maravilhosos!
      Beijos!

      Excluir
  3. Oiii Michelly tudo bom?

    Guia perfeito pra quem é imergir na escritas das irmãs. Eu pessoalmente prefiro a Anne, gosto do estilo e das histórias que escreveu, mas as três foram sensacionais.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Alice!
      Às vezes eu acho que a Anne é pouco valorizada em comparação às irmãs. Fico feliz em saber que ela é sua preferida! :)
      E vc tem razão, as três são sensacionais!
      Beijos!

      Excluir
  4. Gostei bastante do post. Oh céus, preciso comprar logo o meu Jane Eyre!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Dafne!
      Jane Eyre é um livro maravilhoso, compra sim!
      Beijos!

      Excluir

Postar um comentário