5 livros com histórias de amor

5 livros empilhados

Hoje é dia de abusar dos clichês, então vamos comemorar o dia dos namorados falando sobre o amor!

Didaticamente, na literatura, entendemos o romance como um subgênero da narrativa, que também abarca outros subgêneros como o conto, a fábula, entre outros. Inclusive recomendo a leitura do post Uma questão de gênero, onde explico um pouco melhor sobre isso.

Mas muitos leitores se referem a "romance" como o "romance romântico", ou seja, livros focados em histórias de amor. Acontece que essas histórias não são exclusividade dos romances românticos, visto que é muito comum encontrarmos belíssimas histórias de amor em obras que não se baseiam exatamente nisso.

De qualquer forma, independente do gênero, fato é que existem inúmeras histórias de amor que merecem ser lembradas, e é sobre 5 delas que falo hoje.

1. Villette

Os livros das irmãs Brontë são parte importante da literatura vitoriana, cujo objetivo é fazer um retrato idealizado de vidas difíceis onde as virtudes são, de alguma forma, recompensadas. Nesse contexto, os dramas amorosos sempre estão presentes em suas obras e não seria diferente com Villette, de Charlotte Brontë. O que chama a atenção nesse livro é a crença de que ele foi inspirado na própria história de amor da autora, a qual não teve um final feliz na vida real. Assim, dizem que Charlotte escreveu Villette para que, na ficção, ela pudesse dar os rumos que sonhava à sua história. Não poderia ser uma história de amor mais vitoriana.

2. A Rainha Branca

A Rainha Branca é um dos volumes de Guerra dos Primos, parte da série Plantagenta e Tudor. Esse é um livro que merece estar aqui pois narra uma parte da história da Inglaterra que foi bastante influenciada por uma história de amor. Elizabeth, uma plebeia, conhece o rei Eduardo IV e os dois se apaixonam. Mesmo com algumas desconfianças com relação à suposta ingenuidade da moça, Eduardo decide assumir esse amor e transformá-la em sua rainha, o que, claro, vai dividir o povo entre apoiadores e inimigos. Uma história real, bem escrita e típica dos contos de fadas.

3. Outlander - A Viajante do Tempo

A premissa da série de Diana Gabaldon consiste em um triângulo amoroso ligeiramente mais complicado do que o que costumamos encontrar: enquanto uma das partes se encontra em 1945, a outra está em 1743. E Claire, que é o elo entre as duas partes, precisa se decidir entre esses amores. A parte legal dessa história é que o amor representado aqui é aquele forte o suficiente para mudar uma vida inteira, afinal, ao optar por um dos dois, Claire também estará optando por um estilo de vida completamente diferente do outro. É o tipo de amor que precisa abdicar de muita coisa para existir, mas, mesmo assim, vale a pena.

4. Frankenstein

Pode parecer estranho falar de amor em Frankenstein, mas a parte mais bonita da obra de Mary Shelley é o monólogo da criatura onde, com um olhar mais atento, percebemos que mesmo tendo sido feito a partir de características humanas, ainda lhe falta uma das coisas que nos torna, de fato, humanos: o amor. O próprio monstro acredita que uma parceira seria a cura para o vazio que sente, portanto é essa sua busca. Isso, inclusive, foi o que me fez questionar quem realmente era o monstro da história: alguém que faz qualquer coisa para sentir o amor ou alguém que cria outro ser incapaz de viver esse sentimento?

5. O Morro dos Ventos Uivantes

Mais uma Brontë para a lista e como falei anteriormente, mesmo que seus livros não sejam exatamente sobre um romance, elas foram mestres em criar histórias de amor memoráveis, até mesmo quando é algo doentio, como é o caso do livro de Emily Brontë. Catherine e Heathcliff se conhecem ainda na infância, quando o pai da garota "adota" o menino durante uma de suas viagens. A partir daí eles criam um vínculo de amor e ódio a partir de uma relação possessiva capaz de destruir a tudo e a todos, inclusive a si mesmos. É uma história de amor trágica, angustiante e que mostra o lado mais cruel de um sentimento viciado e incontrolável. E sabe mais o que ela é? Imperdível.

Comentários

  1. Gostei das sinopses dos livros, principalmente de Outlander.
    Feliz Dia dos Namorados!
    Boa semana!

    Jovem Jornalista
    Fanpage
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Emerson!
      Quem sabe vc dá uma chance pra ele, né?!
      Caso leia, depois volta pra me contar o que achou!
      Beijos!

      Excluir
  2. Sou apaixonada pela série do livro Outlander! A história é muito envolvente!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jenifer!
      Também amo a série! Na verdade é o único caso que eu gosto mais da adaptação do que do livro. ;)
      Beijos!

      Excluir
  3. Não curto muito histórias de amor, mas amei Frankenstein quando li e Morro dos ventos uivantes me deixou positivamente surpresa, foi muito boa a leitura =D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Dora!
      Também não gosto de histórias muito melosas, tanto que eu nem tinha romances românticos pra indicar! kkkkkk... Acabei optando por indicar histórias de amor bacanas dentro de livros que não têm o amor como foco, exceto Outlander, que acho que se prende mais no triângulo.
      Beijos!

      Excluir
  4. Olá!
    De todos os livros citados, só li Frankenstein até hoje, mas pretendo ler todos os romances das Irmãs Bronte. Também quero muito ler os romances de Philippa Gregory. Só não me interesso mesmo por Outlander, não sei, não entendo o hype.
    Adorei o post. Minha lista seria bem diferente da sua e teria, com certeza, O amor nos tempos do Cólera e Memorial do Convento <3
    Bjs

    http://livrelendo.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Andrea!
      Quero muito ler os dois livros que você citou :)
      Então, Outlander é um assunto difícil pra mim porque eu não amei o livro, tanto que só li o primeiro e não vou ler os demais. Mas, ao mesmo tempo, gostei da trama principal. Se a autora se concentrasse nessa trama, o livro seria incrível, mas ela preferiu gastar o tempo dela (e o nosso, porque são páginas e páginas disso) nas cenas de sexo. Nada contra ter cena de sexo em livros, mas nessa obra ficou tudo meio gratuito, tipo: "Jamie, você acabou de levar um tiro na cabeça, vamos fazer sexo". kkkk... Enfim, parece proposital pra prender o leitor sem fazer muito esforço. Mas, como falei, a trama em si é muito boa!
      Beijos!

      Excluir

Postar um comentário